quarta-feira, 14 de junho de 2017

Jovem deseja ser mãe

A jovem Caroline Dias, de 24 anos, sonha com um momento especial há anos, o de se tornar mãe. Contudo, devido a um transplante, ela não pode gerar o filho. Pensando em ajudar, a mãe de Caroline, Rose Molina, de 43 anos, decidiu gerar o próprio neto. 
“Tudo começou quando eu tinha nove anos de idade, dormi bem e quando acordei já estava doente. Procuramos ajuda aqui mesmo em Uruguaiana, mas como os médicos não achavam diagnóstico, me mandaram para Porto Alegre. Fui direto para emergência fazer hemodiálise onde foi constatado que o problema era nos rins”, disse a jovem. 
A salvação de Caroline encontrava-se ali mesmo na família. Após realizar diversos exames, ficou constatado que seu pai, Cezar Dias, era compatível. A doação e transplante, no entanto, foram realizados no dia 7/12/14. “Faz 13 anos do transplante, mas a rotina de exames não cessou, pois todos os meses tenho que ir a Porto Alegre para exames de rotina”. 
Os anos se passaram e em 2014, Caroline casou com David Carvalho. Ela conta que o sonho de ser mãe começou então a aflorar. “Em um exame de rotina em Porto Alegre perguntei a minha médica se eu poderia engravidar, ela falou que minha gravidez é de risco para minha própria vida”, disse.
Diante da situação, a família começou a “procurar soluções”. Logo, ficaram sabendo do Projeto Maternus que ajuda casais que querem ser pais, contudo, por algum motivo não podem gerar o bebê. “Só que como não posso gerar meu filho a única chance seria alguém gerar meu filho, foi então que minha mãe Rose Molina se solidarizou com nossa situação e se dispôs a gerar nosso filho no útero dela (barriga solidária)”, falou.
O método adotado e escolhido pela família é o da Fertilização In Vitro. No entanto, agora a luta é para arrecadar o valor necessário para o tratamento. Para isso, a família criou uma “Vakinha Online”, com o nome de “Sonho de ser Māe (Fertilização In Vitro)”. Lá, qualquer pessoa que se solidarizar com a história pode contribuir, fazendo assim, um sonho se tornar realidade. 
Além disso, Caroline conta que há outra maneira de ajudar. “Na Vakinha o mínimo da ajuda é 20 reais. Por isso, abrimos uma conta poupança, já que lá não há mínimo de doação. Podendo assim, cada um ajudar como puder”, frisou. A agência para depósito é 0526, operação 013, conta poupança 00048061-6, em nome de Caroline Molina Dias.
Karine Ruviaro

1 comentários:

Sandra Sluminski disse... [Responder comentário]

Mas deixa de ser egoísta... vai e adota uma criança. Com tantas q tem por ai.